Skip to content

Três poemas novos e um antigo

3 de outubro de 2007

https://i0.wp.com/www.donatoart.com/magic/blackdragon.jpg
Os novos poemas foram inspirados em embates que tive hoje (3/10/07) com alunos e colegas professores.

DRAGÃO NEGRO

Alguns estranham
Minhas posturas, minhas falas, minhas idéias
Quase sempre contradição
Não se engane não
Eu sou como o Dragão
Que cai comendo pelas beiradas
E se mordo minha própria cauda
Fico ainda mais forte.

moebiusorobórus

Sou todo feito de fogo
Queimo quando falo
E mesmo calado só de olhar chamusco.

Sou todo feito metal
Ouro, ferro, aço
Por fora todo bronze
Pois sou negro, muito negro
Herdeiro da força África.

Sou inteiro filho da terra
Índio, caboclo e brasileiro
Falo a língua do meu povo
e leio livros de Europa.

Sou Dragão que sabe voar
Mesmo se me cortarem as asas
Sou fantasma do meu sol
Invento-me para desconcertar.

O VAZIO

Não existe vazio
Na minha poesia
Os momentos de silêncio
São novos poemas
Brechas para lembrar
Ou melhor esquecer
E esquecendo se encher
Do puro poema-viver.

Não existe vazio
Na minha poesia
Se penso ninguém
Ninguém é uma pessoa
Aquela que esqueci
Para não me atrapalhar.

Ninguém assim
Feito página em branco
Um buraco na rua (passou)
Música p/ surdos
Quem ouve nem sabe
Um NÃO bem grande
No passado da minha vida.

Não existe vazio
Na minha poesia
Sei que nem sou bom poeta
Mas os poemas que eu não escrevi
Só quis, mas esqueci,
Eram os melhores tenho certeza
Me consolo escrevendo
“Também não era hora
Deles terem aparecido”
Apareço eu agora
Nestas linhas mal escritas.

– Não existe o vazio da minha poesia.



LIXO NA CARA

Sinto-me mais eu agora
Mais eu inteiro
E o prazer imenso deste momento é mais
Maior que as duas dores que passei no dia
Maior que a vergonha
Maior que o medo.

Joguem-me lixo na cara
Mas não esqueçam de berrarem
“Você é o Fábio, não é?
VOCÊ É O FÁBIO.”

Só vou receber o que é meu.

p.s.: “Tolo é quem julga a dor nociva
Para nascer é preciso dor
A criança esquece
Mas a mãe lembra sempre
E um único dente doendo
Pode dar sentido para uma vida inteira.”
.

———
O antigo poema copio de:
http://ekalafabio.blogspot.com/2006/12/aproveito-este-perodo-de-limpeza-para.html

BEIJOS

Se você me beijasse

eu seria feliz

Nem que fosse um instante

Nem que fosse um momento

Se você pudesse me amar

Ainda que provisório

Eu teria alegria

& iria lembrar Por todo o sempre

Este raro momento

Em minha vida vulgar

Cotidiano tão triste

Minha vida vulgar

Minha vida vulgar…

Um beijo de fogo – pra reativar

Um beijo desejo – de realizar

Um beijo amigo – que vira paixão

Um beijo de ferro – tortura sem dor

Dor com o gozo

Fissura prazer

Aproveitar pra viver

Viver em perigo

Um beijo de gelo – que estilhaça a vidraça

Um beijo sonoro – música de graça

Um beijo canção – cantar tua beleza

Um beijo tesão – invejando a platéia

Um beijo razão – pra te obrigar a me ter

Um beijo Amor – com carinho Atenção

Um beijo Amor – família e paz

Um beijo Amor

Em minha vida vulgar

Um beijo que quebra

Cotidiano tão triste

Um beijo Amor

Em minha vida vulgar

Minha vida vulgar

Minha vida vulgar…

19 de outubro, 2002 frn

No comments yet

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: