Skip to content

Orgulho de ser Funcionário Público e Professor

31 de outubro de 2017
Imagem: adaptada de campanha da UNIFACS. Frase de Paulo Freire.

Imagem: adaptada de campanha da UNIFACS. Frase de Paulo Freire.

15 de Outubro, dia dos Professores e das Professoras

Dentre todas as profissões, a nossa é uma das que mais merece reconhecimento e homenagens. Desde as primeiras letras, passando pelo ensino fundamental até os níveis mais avançados, os professores são aqueles que orientam, encorajam, acreditam. Sim, porque muito mais do que assumir a responsabilidade de ensinar, os professores são aqueles que acreditam ser possível aprender, não importando a idade, apesar de qualquer dificuldade de partida, sempre haverá uma estratégia, um planejamento, uma proposta pedagógica para ajudar o estudante a se descobrir e ser um pouco melhor, aprendendo algo diferente. A cada ano estamos aprendendo como realizar essa tarefa que alguns consideram impossível. Agora, ainda mais do que antes, nossa prática e nossa reflexão sobre a prática não pode ficar restrita na sala de aula ou na instituição escola, porque há muitos movimentos legais e políticos ameaçando nossa profissão e o futuro dos nossos filhos e dos nossos alunos. Ser professor, ser professora, é também pensar sobre a sociedade e estar sempre em prontidão para agir pela melhoria de toda a sociedade. É um grande orgulho fazer parte de um grupo com tão nobre e difícil tarefa.

A equipe gestora da escola professor Luiz David Sobrinho se orgulha de fazer parte desse grupo de professores e colegas funcionários que são sempre também educadores. Feliz dia!

Não por acaso nesse mesmo mês de Outubro também se comemora o Dia das Crianças e o Dia do Funcionário Público.

Anúncios

Na Folha Dirigida (jornal para concurseiros)

31 de outubro de 2017

Saiu uma pequena matéria sobre mim no jornal Folha Dirigida do Rio de Janeiro, edição de 17/10/17, por Indicação do amigo Antonio Batist, que é artículista no jornal. Apesar de curta conta um pouquinho da minha trajetória. Há um errinho no último parágrafo, que cita Secretaria de Educação, quando o correto seria “Secretaria de uma escola”. Também não me considero um “concurseiro”, mas sim integrante de uma carreira, já que todos os concursos que prestei com sucesso foram no mesmo sistema. Mesmo assim compartilho. Valeu, Tom.

Link para PDF da página.

A mesma matéria  já com algumas correções saiu na edição São Paulo de sábado 21/10.

Semana do Estudante – Raízes do Brasil

16 de agosto de 2017

Semana do Estudante da escola Luiz David Sobrinho

O que é. Como foi em 2017.

Foi impressionante. E desconfio que quem vivenciou essa experiência na escola, seja como aluno, professor ou palestrante visitante, tem muito o que meditar e rever sobre práticas escolares e as muitas formas de estudar e aprender.

A história da Semana do Estudante começa em 2005, com a fundação oficial do Grêmio Estudantil da escola municipal de ensino fundamental Professor Luiz David Sobrinho, chamado Jovens Na Atividade. O grêmio foi  inaugurado no dia do estudante, 11 de agosto, proposto como um dia especial para troca de livros entre alunos na nossa escola. No entanto, antes disso, em 2002, alguns alunos participantes do projeto Educom.Radio já haviam tentado montar um grêmio na escola. O evento de troca de livros continuou ocorrendo nos anos seguintes, sempre acompanhado por atividades diferenciadas durante a semana, mas aquela que pode ser considerada a primeira edição da Semana do Estudante, com oficinas e palestras feitas por ex-alunos, atletas, artistas e professores convidados, aconteceu apenas em 2015. A proposta foi tão bem aceita que foi repetida no ano de 2016, desta vez contando com mais palestrantes e com várias disputas.

O tema de inspiração em 2016 foram as olimpíadas, assim os alunos foram divididos em grupos representando os cinco continentes. Foi uma proposta ousada, que fez alunos de fundamental 1 (primeiro ao quinto ano) se misturarem com alunos de fundamental 2 (do sexto ao nono ano), independente de idade ou nível de aprendizagem. A colaboração e aliança superaram as diferenças e os alunos puderam experimentar um novo jeito de aprender.

Em 2016, como parte da participação da escola no Parlamento Jovem, a aluna Mayara da Silva Tavares (na época 9º ano), apresentou o projeto de lei PL 162/2016 para instituir no calendário oficial de todas as escolas municipais a Semana do Estudante e o dia de troca de livros na finalização da semana dia 11 de agosto. O relato da participação da aluna está publicado no Diário Oficial do Município, data 28/01/2017 a partir da página 68. O vereador Laércio Benko encampou o projeto para ser regulamentado oficialmente.

Nessa foto de 2013 na Câmara Municipal, Mayara é a 5a na segunda fileira.

Nessa foto de 2013 na Câmara Municipal, Mayara é a 5a na segunda fileira.

Em 2017 a escola recebeu um novo diretor, esse que escreve, que já chegou encantado pelos relatos sobre as edições anteriores. Toda a gestão atual da escola, diretor Fabio, assistentes Tereza Cristina e Alexandre Afonso e principalmente as coordenadoras pedagógicas Rosana da Costa e Juliana Quintino e nosso coordenador do grêmio escolar professor Adenilto se empenharam em viabilizar e organizar a terceira edição desse grande evento. Como tema motivador sugeri o livro Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda, que comemorou 80 anos de publicação em 2016. Assim as turmas foram divididas em 5 grandes grupos, que representavam as principais raízes culturais da nossa nação: Indígena, Africana, Europa, Ásia e Estadunidense. Todos os professores trabalharam muito, planejando atividades e organizando suas turmas.

(foto: Companhia das Letras/Divulgação)

Dessa vez, foi dada menor ênfase à competição, sendo decidido que apenas alunos com destaques nas atividades seriam premiados com medalhas. Como já havia ocorrido na edição anterior, também tivemos grande dificuldade para organizar a participação dos visitantes voluntários, palestrantes que convidamos para dialogar com os alunos: professores colegas, profissionais de outras áreas e ex-alunos desta e de outras escolas. O maior problema foi realmente a agenda, pois o tempo disponível pelos palestrantes era restrito e temos poucos recursos para poder remunerar as participações. As colaborações foram todas excelentes, mas sempre atendendo apenas partes da comunidade escolar.

Nesta edição de 2017 pudemos contar com algumas palestras notáveis

  • Nicolas, ex-aluno da escola até 2002 e atualmente estudante de direito contou como foi sua participação no projeto piloto Educom.Radio, que depois se transformou no Programa Nas Ondas do Rádio, atual Núcleo de Educomunicação. Nicolas contou que devido a essa participação foi escolhido para representar o projeto em Brasília.

Nicolas, ex-aluno da nossa escola e estudante de direito

https://www.facebook.com/emefldsobrinho/videos/2193836967299586/

  • De Caieiras veio a Banda Visual Samba Black, com vocal de Gleibson Reis. Contaram um pouco da história do samba com música.

                                        

Visual Samba Black de Caieiras com coordenadoras Juliana e Rosana e diretores Tereza e Fabio

Francine Flor do Coletivo Januárias na Janela

  • Michel Yakini, ex-aluno do professor Adenilto, membro do Sarau Elo da Corrente de Pirituba,, poeta e escritor de livros, dialogou com os alunos contando sua história, recitou poemas próprios e homenageou Solano Trindade.

Michel Yakini, escritor

Imagem do blog Elo da Corrente (editada)

  • Kaneda Mukhtar, músico, cantor e poeta, falou sobre cultura hip hop e a importância da leitura e da escrita. Kaneda e sua banda de punk rock Asfixia Social, que fez uma apresentação especial na escola no fechamento da Semana, no sábado, foram convidados pelo professor Carlos, também músico.

Kaneda recitou poemas e tocou trompete                                                        

Kaneda Mukhtar e Carlos Saffiotti

Eliana Lorieri

  • Alyson Kwabena, ex-aluno da EMEFM Antônio Alves Veríssimo e DJ, falou sobre cultura afro e citou o trabalho do artista Hugo Canuto, que interpretou os orixás com um designer pop de histórias em quadrinhos.

Alyson Kwabena ex aluno emefm antonio alves

  • Fizemos um concurso de desenhos sobre as temáticas estudadas durante a semana, e algumas das melhores artes foram grafitadas por Rodrigo Campos com ajuda de seu irmão Tiago e do funcionário Hernandez, criando um registro do evento na parede.

Grafite por Rodrigo Campos com artes dos alunos

  • Ricardo Vicente, professor de Muay Thai junto com seu aluno demonstrou um pouco dessa arte marcial e falou sobre a importância da disciplina para o esporte e para a vida.

Hernandez, coordenadora Juliana, Ricardo Vicente e Fabio

  • Nossa coordenadora Rosana fez rodas de dança circular com os alunos e no sábado também com a comunidade escolar.
  • A professora Silvania Francisca de Jesus contou histórias africanas e indígenas, contando com apoio de seu companheiro Salvador.

Silvania, Salvador e coordenadora Rosana na Sala de Leitura

  • Os alunos participaram de saraus, show de talentos e trocas de livros

Sarau

Troca de Livros, tradicional da escola todo dia 11 de agosto

Carlos Lima do Núcleo de Educomunicação

  • Cadu Fernandez, pioneiro do projeto Educom.Radio falou sobre rádio escolar e também foi responsável por localizar o ex-aluno Nicolas.

Cadu Fernandez (clique para ver trecho em vídeo)

  • Professor Marcio Silva, do projeto “Samba também se aprende na escola”, foi liberado pela gestão da EMEF Enzo Antonio Silvestrin para participar da nossa Semana do Estudante com uma oficina de percussão com alguns dos nossos alunos e no fechamento do evento a bateria tocou para o desfile das delegações.

Marcio Silva da EMEF Enzo Antonio Silvestrin

https://www.facebook.com/sambanaescola/videos/819413291556338/

  • Os grupos de estudo viraram verdadeiras delegações, que fizeram lindos desfiles tanto na abertura quanto no fechamento do evento, segunda e sexta-feira.

Desfile delegações

(imagem transmitida ao vivo. O ex-aluno Matheus fez a captação)

 Tentamos documentar ao máximo essa semana. A maioria das fotos e filmagens foram feitas pelos próprios estudantes, utilizando equipamentos da escola e estão disponíveis nesse link:             https://goo.gl/photos/G73mCohtsd1DjuHS6

Quebrar um pouco das grades escolares foi sobretudo divertido. Fascinante. A avaliação geral da comunidade escolar foi de aprovação e desejando a continuidade. Mas também foi muito cansativo. Para que se tornasse mais uma rotina, em vez de algo raro e excepcional, a escola precisa de mais recursos humanos e financeiros. Como já foi citado, há inclusive um projeto de lei para inserir a semana no calendário oficial, mas sobretudo precisamos buscar formas de continuar tendo atividades tão interessantes assim na escola em outros momentos.

 

 

Só Emoção – Rosa Maria Panicali cantando

26 de março de 2017

Foi bom – Despedida do setor TIC da DRE Pirituba

14 de dezembro de 2016

Em 2013, quando fui chamado a participar da equipe do setor TIC na DRE Pirituba Jaraguá comprei um caderninho (pequeno e sem pautas, para ser fácil de carregar) e abri um arquivo no programa Evernote (de notas virtuais) onde fui anotando tudo que precisava saber. Fui chamado por indicação do colega Marcelo Santos, que chegou a integrar equipe num CEU na DRE Pirituba, mas por questões pessoais infelizmente saiu da rede municipal. A princípio deveria eu integrar a equipe do atual DICEU, mas o Sr. Antonio Rodrigues da Silva, que na época era o dirigente regional, achou melhor me alocar no setor de suporte a tecnologias, comunicação e informações gerenciais.

Apesar de já ter trabalhado com EOL, sistema escola online, quando fui auxiliar técnico nas secretarias das escolas EMEF Jose Alcântara Machado Filho (DRE Butantã) e EMEF Jairo de Almeida (DREPJ), já fazia muito tempo que não mexia com sistemas da Prefeitura de São Paulo.

Minha experiência de 4 anos como POIE na EMEF Fernando Gracioso ajudou muito, é claro, mas a dinâmica do TIC era muito diferente da que tinha como professor de ensino fundamental. Estudar é o que nós, como professores, fazemos melhor. Podemos estudar em serviço. E estudar foi algo que fiz muito, para tentar cumprir principalmente as demandas dos sistemas EDUCACENSO, BOLSA FAMÍLIA, bilhetagem das Impressoras da GOLDEN e o início da implantação do SEI – Processos Eletrônicos, que ficaram sob minha responsabilidade aqui na DRE Pirituba.  Nesses 4 anos de TIC também ajudei as escolas na participação do Programa Mais Educação Federal e agora no final de 2016 a inscrição no Novo Mais Educação. E sempre que possível ajudei as equipes de Imprensa Jovem participantes do Programa Nas Ondas do Rádio, recentemente transformado no Núcleo de Educomunicação.

Estudar enquanto se trabalha é essencial. Aprender na prática e com ajuda dos colegas. Mas é importante também buscar atualização em cursos externos. Nesse período que estive no TIC cursei a Especialização em Gestão Pública Municipal, aberto logo quando foi inaugurada a unidade UNICEU / UAB do CEU Pera Marmelo. Também nesse período fiz o curso semipresencial de complementação pedagógica, que me habilitou como pedagogo. Minha formação básica é em Letras Língua Portuguesa e Linguística e enquanto professor antes havia cursado a especialização em Mídias na Educação.

Foi um grande aprendizado esse período aqui na DRE Pirituba. Tive a sorte de trabalhar com excelentes profissionais e estagiários, muitos dos quais se tornaram amigos. Tive a sorte de ter como chefia imediata Ary Sergio Olinisky, engenheiro com grande experiências em gestão de informática, assim como o atual dirigente Marcos Manoel dos Santos e toda excelente equipe do gabinete da DRE Pirituba, da qual é impossível não citar a Dona Olga Kalil Figueiredo.

Batalhei o máximo possível para que a gestão Haddad fosse a melhor possível na DRE Pirituba. Infelizmente essa gestão não continua, mas espero que tenhamos deixado um bom legado que poderá ser continuado. Cabe a todos nós continuar cobrando a melhoria no atendimento ao público e os recursos para garantir a qualidade na educação.

Foi bom. Mas agora parto para um novo desafio. Vou mais uma vez ter que estudar em serviço e aprender muita coisa que ainda não sei, mesmo já tendo 40 anos de idade e já tenha 13 anos de serviços como funcionário público. A partir de 02 de janeiro de 2017 estarei como diretor de escola na EMEF Luiz David Sobrinho, localizada no bairro Jaraguá.

Só quero dizer muito obrigado a todos e todas que ajudaram nesse percurso. Se precisarem de ajuda, me procurem, pois com certeza irei procurar vocês quando precisar. Quem puder, apareça na minha nova escola para um café.

Feliz natal e prosperidade no próximo ano.

Em tempo: Vou iniciar nesse blog uma série de artigos que chamarei “Quando um educomunicador quer saber o que é ser gestor escolar“, onde pretendo relatar um pouco do aprendizado e das vivências que terei como diretor de escola. O título é uma referência ao famoso artigo Quando o sociólogo quer saber o que é ser professor – Entrevista com François Dubet.

Educomunicação e o Direito de Produzir Mídias

8 de junho de 2016

Plataformas Online de Gestão Pública como oportunidades de Participação Cidadã – Trabalho UNICEU

21 de novembro de 2015

Trabalho apresentado no final do curso GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL da UAB / UNICEU, Polo Pera Marmelo.

View this document on Scribd

Texto Completo do artigo:

View this document on Scribd

O trabalho ainda precisa de revisões, inclusive em relação ao cumprimento das regras ABNT. Caso seja publicado, pode ter uma versão diferente da aqui postada.